Vitamina D o que é? E porque é importante?

Blog » Vitamina D o que é? E porque é importante?

A vitamina D é uma vitamina que deriva da exposição ao sol, está integralmente envolvida em muitos processos corporais vitais e, em muito menor grau, nos alimentos que comemos.
A vitamina D não é tecnicamente uma vitamina. Na verdade, é considerada uma pró-hormona, e é sintetizada pela pele numa reação à exposição solar. A vitamina D atua em várias células e tecidos em todo o corpo para estimular o crescimento e a absorção de nutrientes.
Esta vitamina apresenta 2 formas, a vitamina D-2 e a vitamina D-3, que são muito diferentes tanto na estrutura como na função. A vitamina D-2 não é sintetizada através do corpo humano mas sim da irradiação da planta. A vitamina D-3 é produzida pelo organismo, mas também pode ser tomada através da suplementação, e é altamente biodisponível.
A vitamina D é utilizada pelo coração, glândulas adrenais, células imunes, cérebro, músculo esquelético, cólon, etc. Isso ajuda a regular a absorção mineral, o humor e a sensibilidade à insulina, entre outros processos.

Que quantidade de vitamina D precisa e quais os efeitos colaterais ?
A dose diária recomendada para a vitamina D é 400-800 UI por dia. Os efeitos secundários da toxicidade da vitamina D incluem fraqueza, letargia, dores de cabeça e náuseas. De qualquer das formas, se estiver a considerar a suplementação de vitamina D, consulte primeiro o seu médico. A vitamina D pode ser tomada através de várias formas diferentes, incluindo gotas orais, comprimidos ou cápsulas.

Quais são as interações possíveis?
A vitamina D é lipossoluvel, de modo que as interações podem ocorrer a partir de suplementos que bloqueiam a absorção de gordura ou de uma dieta muito baixa em gordura. Os corticosteróides também são conhecidos por diminuir a absorção e vitamina D, reduzindo a absorção de cálcio.
A vitamina D é considerada um suplemento seguro com a maioria dos medicamentos.

Quais as formas de obtenção da vitamina D?
A principal forma de obtenção da vitamina D é através do sol. Nos alimentos, as quantidades de vitamina D são muito pequenas e é provável que não seja suficiente. Os alimentos que contêm alguma vitamina D incluem gemas de ovos, peixes gordos,leite e sumo de laranja.

Quais são os perigos da deficiência de vitamina D?
A deficiência de vitamina D também pode fazer com que se sinta lento e deprimido. O papel da vitamina D na absorção de cálcio e fósforo faz com que uma deficiência neste nutriente seja uma ameaça à integridade óssea. Poderia ser especialmente perigoso para aqueles que já estão sujeitos a fracturas e osteoporose.
Alguns dos sintomas depressivos podem ser causados ??por desequilíbrios dos neurotransmissores ou hormonais. A vitamina D cria um ambiente favorável para a produção de hormonas que ajudam a regular o humor.
Há estudos que demonstram que um défice de vitamina D compromete a recuperação muscular. Um estudo de uma universidade de Liverpool  descobriu que seis semanas de suplementação com 4.000 UI por dia de vitamina D melhoraram a recuperação muscular nos dias após um treino difícil.

Referências:
-Looker, A. C., Johnson, C. L., Lacher, D. A., Pfeiffer, C. M., Schleicher, R. L., & Sempos, C. T. (2011). Vitamin D status: United states, 2001–2006. NCHS Data Brief, 59(59), 1-8.
-Norman, A. W. (2008). From vitamin D to hormone D: fundamentals of the vitamin D endocrine system essential for good health. The American Journal of Clinical Nutrition, 88(2), 491S-499S.
-Armas, L. A., Hollis, B. W., & Heaney, R. P. (2004). Vitamin D2 is much less effective than vitamin D3 in humans. The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, 89(11), 5387-5391.
Nair, R., & Maseeh, A. (2012). Vitamin D: The "sunshine" vitamin. Journal of Pharmacology & Pharmacotherapeutics, 3(2), 118.
-Holick, M. F. (2007). Vitamin D deficiency. The New England Journal of Medicine, 2007(357), 266-281.
Teegarden, D., & Donkin, S. S. (2009). Vitamin D: emerging new roles in insulin sensitivity. Nutrition Research Reviews, 22(1), 82-92.
-Seasonal Affective Disorder. (2000, March 01). Retrieved September 18, 2017, from http://www.aafp.org/afp/2000/0301/p1531.html
Popa, T. A., & Ladea, M. (2012). Nutrition and depression at the forefront of progress. Journal of Medicine and Life, 5(4), 414.
-Owens, D. J., Sharples, A. P., Polydorou, I., Alwan, N., Donovan, T., Tang, J., ... & Close, G. L. (2015). A systems-based investigation into vitamin D and skeletal muscle repair, regeneration, and hypertrophy. American Journal of Physiology-Endocrinology and Metabolism, 309(12), E1019-E1031.
-Sources of Vitamin D 2017. (n.d.). Retrieved September 18, 2017, from https://www.vitamindcouncil.org/
Vieth, R. (2007). Vitamin D toxicity, policy, and science. Journal of Bone and Mineral Research, 22(S2).
-Traub, M. L., Finnell, J. S., Bhandiwad, A., Oberg, E., Suhaila, L., & Bradley, R. (2014). Impact of vitamin D3 dietary supplement matrix on clinical response. The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, 99(8), 2720-2728.
Norval, M., & Wulf, H. C. (2009). Does chronic sunscreen use reduce vitamin D production to insufficient levels? British Journal of Dermatology, 161(4), 732-736.
-Marks, R., Foley, P. A., Jolley, D., Knight, K. R., Harrison, J., & Thompson, S. C. (1995). The effect of regular sunscreen use on vitamin D levels in an Australian population: results of a randomized controlled trial. Archives of Dermatology, 131(4), 415-421

Partilhar agora

Deixe-nos o seu comentário

Captcha

Este site utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Se continuar a navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais